[Eu vi] Crítica do filme A Múmia


 

Ficha técnica:

Título original: The Mummy

Direção: Alex Kurtzman

Elenco: Tom Cruise, como Nick Morton; Sofia Boutella, como Ahmanet/A  Múmia; Annabelle Wallis, como Jenny Halsey; Russell Crowe, como Henry Jekyll; Jake Johnson, como Chris Vail; Courtney B. Vance, como Coronel Gideon Forster; Marwan Kenzari, como Malik; Stephen Thompson, como First Man; Javier Botet, como Set.

Roteiristas: David Koepp e Christopher McQuarrie

Produção: Alex Kurtzman, Chris Morgan, Sean Daniel e Roberto Orci

Trilha sonora: compositor Brian Tyler

Estúdios:   Universal Pictures

Gênero: Fantasia, aventura, Terror

Lançamento: 08 de junho de 2017

Sinopse: Na Mesopotâmia, séculos atrás, Ahmanet (Sofia Boutella) tem seus planos interrompidos justamente quando está prestes a invocar Set, o deus da morte, de forma que juntos possam governar o mundo.  Mumificada, ela é aprisionada dentro de uma tumba. Nos dias atuais, o local é descoberto por acidente por Nick Morton (Tom Cruise) e Chris Vail (Jake Johnson), saqueadores de artefatos antigos que estavam na região em busca de raridades. Ao lado da pesquisadora Jenny Halsey (Annabelle Wallis), eles investigam a tumba recém-descoberta e, acidentalmente, despertam Ahmanet. Ela logo elege Nick como seu escolhido e, a partir de então, busca a adaga de Set para que possa invocá-lo no corpo do saqueador.

Minhas impressões? Bem, muna-se de amuletos, símbolos de proteção, velas, santos, rezas e benzeduras, porque você vai precisar! 🙂 O filme é, simplesmente, aterrorizante. Ou sou eu que me assusto fácil. 🙂 Até pode ser. Levei minha filha de 14 anos ao cinema junto comigo e ela saiu super feliz, tranquila. Eu? Eu saí com o coração acelerado, impactada.

Não, o filme não é aqueles de terror violento e as críticas, em sua maioria, falam de um filme fraco, mediando. Eu não achei fraco não! 🙂 Sabe como é…Tem muitas cenas de susto. Eu sabia que elas estavam chegando, que iria acontecer alguma coisa naquela hora e…Me assustava igual! Sabe quando a música tá preparando o clima da cena? Sabe quando ela começa a martelar em sua cabeça, vem aumentando aos poucos e então, do nada, surge alguém gritando? Pois é. Aconteceram vários desses momentos no filme.

 

Quer ler outras críticas de filmes bacanas? Clique aqui.

 

Nick Morton é um cara aventureiro, saqueador de relíquias, de artefatos antigos. Ele e seu amigo Chris Vail estão no Iraque, que foi Mesopotâmia um dia e os dois, por acaso, descobrem a tumba de Ahmanet. A eles se junta a pesquisadora Jenny Halsey, que resolve desenterrar o sarcófago dessa moçoila doce como radiche e que teria sido princesa em sua época. Ahmanet foi mumificada viva, por ter matado seu pai, faraó do Egito. Como era considerada perigosa por ter invocado o Deus Set, seu sarcófago foi levado para a Mesopotâmia e lá enterrado.

Tá tudo muito bem, tá tudo muito bom, quando coisas esquisitas começam a acontecer. Ao removerem o sarcófago para colocar em um avião militar, há uma tempestade de areia. O avião levanta voo às pressas, fugindo para não ser engolido pelo deserto. Na continuidade, coisas ruins acontecem dentro desse avião (fique no suspense. Se eu contar, estraga a surpresa). Muitas. E se prepare: as cenas gravadas dentro do avião formam uma das sequências mais bacanas do filme, em meu ponto de vista é claro. Fique a vontade para discordar. Ou não! Curiosidade: as cenas foram filmadas em um avião simulando uma queda realmente, em dois dias seguidos. Todos da equipe passaram mal, menos Tom Cruise e Annabelle Wallis. Os caras são heróis no filme e osso duro de roer na vida real!

Acontece que esse avião cai em Londres, porém antes de cair Nick Morton consegue salvar Jenny,  dando-lhe o único paraquedas existente na aeronave. Era para ele ter morrido. Só que não! O homem sobreviveu sem arranhões, sabe-se lá como. Com a queda, Ahmanet liberta-se de seu sarcófago e adivinhem? Claro que vai atrás de Nick, pois entende que ele é “O Escolhido”, o homem que iria receber o espírito de Set. Ahmanet pretende governar o mundo junto com o Deus da traição, da inveja, do ciúme. Bom esse cara, não? E essa mulherzinha, vou te contar viu? Bonitinha mas ordinária!

Em determinado momento da trama, Ahmanet é aprisionada pelo personagem de Russell Crowe, o Doutor Henry Jekyll, que hora é bonzinho, hora é malzinho, numa alusão a obra O Médico e o Monstro, terror psicológico em que Dr Jekyl pesquisa sentimentos humanos e, por acaso, cria uma droga que liberta seus aspectos mais primitivos, animais. Essa nova “personalidade”, chamada Mr. Hyde, é o monstro sem controle, que quer se entregar aos prazeres, à luxúria. O Dr. Jekyll de A Múmia é exatamente o mesmo retrato em O Médico e o Monstro, porém a aparição das duas facetas de personalidade do doutor parece estar perdida na trama. A faceta ruim que é um diabo quer matar Nick para estudos. Ou seria a boa que quer matar para o bem da humanidade? A faceta ruim luta contra Nick por algo que não fica muito claro e que, enfim, não faz diferença na trama, que se concentra na vontade de Ahmanet de dar vida ao Deus Set. Para a trama Dr. Jekyll parece não ter tanta importância assim, parece ser um personagem deslocado. Para o estúdio Universal, parece que será um personagem fundamental. Há especulações que o estúdio fará do personagem o primeiro da franquia do Universo Sombrio. Veremos, em breve.

Muitas sequências de ação, de fuga, de luta e de sustos ocorrem no filme. A música ajudou a criar a atmosfera assustadora, embora eu não tenha prestado atenção a ela especificamente. Eu nunca consigo perceber a música quando assisto filmes, porque fico concentrada, obviamente, na história. Maaas, inegavelmente, sabia que ela estava lá, aumentando de volume segundo a segundo, pulsando freneticamente a cada cena, preparando os expectadores para as cenas de clímax. Sem a música, talvez os sustos não fossem tão grandes assim. Ela explode dentro da gente, sabe?

Tom Cruise não envelhece, mas não está assim tããão convincente como aventureiro não, isso é verdade. O filme é bom porque é bom, não em razão do ator. O romance entre ele e a pesquisadora também não impressiona. Nem as piadas.

Sofia Boutella, diferentemente, arrasa no papel da Múmia. Forte, segura, bonita, fria, aterrorizante!

Bola fora foi a aparição de zumbis formando o exército de mortos-vivos que auxiliam Ahmanet a buscar seus objetivos. Zumbis? Fala sério!

Enfim, é preciso salientar o que estão dizendo por aí: a Universal teria lançado o filme em preparação para outros tantos que pretende apresentar no futuro, então A Múmia teria elementos que não casam muito bem com o roteiro, como Dr. Jekyll e os zumbis citados acima.Estão falando, também, de um certo preconceito de Hollywood com relação à mulher. O personagem principal do filme teria que ser a Múmia, mas os holofotes iriam basicamente para Tom Cruise. Concordo que a estrela era Tom Cruise, mas falar de preconceito acho meio pesado, precipitado. A Múmia está morta (dãã). Como tornar um  “morto” o personagem principal de uma trama? Em princípio, mortos não fazem intrigas, não esmiuçam planos, não têm uma amplitude de ações possíveis de serem realizadas. Morto é aquela coisa, né? Se está se mexendo, então é porque existe uma força sobrenatural agindo sobre ele. Não pensam, apenas agem. Me entendem? Como fazer um personagem assim ser o protagonista?E, além do mais, o que esperavam? Tom Cruise  escolheu o filme em que gostaria de atuar. Iria escolher algum em que mal aparecesse?

Talvez eu esteja dizendo bobagens. Me perdoem se for o caso. Não sou expert em cinema, o que não me impede de ter opinião, obviamente. Pode ser que essa opinião não tenha muito fundamento, pela falta de conhecimento. É um risco que corro. Ok. Topo.Vou aprendendo aos poucos a respeito desse universo. Por enquanto, só posso me valer de minha opinião mesmo.

Então, é isso.

Beijos e me liga!

Related posts:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *