Museu do Louvre: viagem no tempo e na história


Viajar é uma das experiências mais especiais que podemos nos dar. É muito bom conhecer outras paisagens, outras culturas, outras maneiras de ser e estar no mundo. É uma bela oportunidade de troca de experiências com outras pessoas, locais do destino de viagem ou turistas como nós. Há quem diga que viajar é um dos melhores investimentos na formação de um indivíduo. Eu concordo.

Falo isso pois, sempre que possível, faço o meu planejamento para viajar. Volto mais feliz, mais leve e com uma cabeça não só mais descansada, como mais rica.

Você também pensa assim? Gosta de viajar e explorar novas possibilidades?

Esse preâmbulo todo é porque queria muito escrever sobre um dos lugares mais bacanas do mundo e que acredito que todos nós deveríamos conhecer, por ser uma oportunidade valiosa de viajar por quase toda a existência do homem por meio da arte.

Ainda que você nunca tenha ido a França e conhecido a capital, Paris, é bem provável que você, assim como eu, conheça o Louvre, um dos museus mais famosos do mundo. Aliás, o mais famoso.

Com um riquíssimo acervo e arquitetura belíssima, o Museu do Louvre é o símbolo de Paris e da França. Ele está localizado entre o Rio Sena e a Rue de Rivoli. Conta com cinco andares que devem ser visitados, pacientemente, em mais de um dia. Há um consenso entre todos os que o visitam e os guias turísticos: você deve reservar mais de um dia em sua viagem para visitar o Louvre, preferencialmente de 4 a 6 horas em cada dia. Se não, o
que poderia ser puro prazer e deleite fica cansativo. Anotou a dica? A experiência deve ser gostosa, jamais monótona.

Uma das principais atrações do Museu está em sua arquitetura: a famosa e muito fotografada pirâmide de vidro, entrada principal para visitação ao local. Quem leu e assistiu ao Código da Vinci, do Dan Brown, deve se lembrar dela.

A pirâmide de vidro do Louvre foi instalada durante a última grande reforma que o museu sofreu, na década de 80, sob a presidência de François Mitterrand. Na mesma reforma, três alas foram incorporadas à construção.

Projetada pelo arquiteto chinês Ieoh Ming Pei, a pirâmide é composta por 673 placas de vidro e tem 20 metros de altura, que contrasta com a arquitetura clássica do Louvre e, na verdade, com a de quase toda Paris. Na época da sua construção, e até hoje, ela é motivo de discussões: há quem adore a beleza justamente pelo contraste e há quem não goste justamente por isso.

Sabia que o monumento mais visitado no mundo em 2016 nem sempre foi um museu?

 

A história do Louvre

A princípio, na Idade Média, ele foi construído para ser uma fortaleza, a fim de proteger Paris. Hoje é possível ver os resquícios desta construção na galeria do Carrossel do Louvre. No século XIV, a Fortaleza Louvre se torna Palácio Real, quando o Rei Carlos V transfere a sede do poder real para lá.

Após um tempo, a construção fica abandonada, até que é demolida, no século XVI, quando se passa a construção do Louvre Moderno, inspirado na escola renascentista italiana. Nesta época, a França conhecia o trabalho de Leonardo da Vinci e sua mais famosa criança, a Mona Lisa.

Os reis seguintes a François I, responsável pelo novo Louvre, seguiram realizando modificações no monumento. Contudo, no reinado de Luis XIV, a sede real é transferida para o Palácio de Versalhes. Neste período o ainda Palácio do Louvre é ocupado por nobres, artistas e intelectuais que apresentaram ao rei um projeto para a criação de um museu.

Por causa da Revolução Francesa, o Museu do Louvre foi aberto ao público. Aos poucos, seu acervo foi aumentando, seja por meio de confisco, resultantes de sucessos de conflitos militares, seja por meio de doações privadas. Durante os anos seguintes, em diversos reinados, o Louvre foi sendo ampliado, ganhando novas galerias e mais coleções.

Como eu mencionei antes, ele recebe a última reforma nos anos 80. Em 1989, é reaberto para o público e segue até hoje sendo um ponto turístico muito visitado em todo o mundo.

No percurso Pavilhão do Relógio somos convidadas a descobrir o Louvre, suas coleções e a transformação do palácio em museu.

Acervo Louvre

São mais de 35 mil obras, distribuídas em três alas (Ala Richelieu, Denon e Sully) de 73 mil/m²! Precisa mesmo de tempo e disposição para não perder nada importante! A coleção do Louvre é composta por itens que vão deste o Egito Antigo, com datas de 2.800 a.c., a obras datadas do século dezenove.

Vou repetir: separe mais de um dia para sua visita. Pense em como está sua disposição para caminhar, o tempo que passa em frente a uma obra e faça um cálculo do tempo necessário. Para ver toda a coleção, são necessários dias, por isso vale a pena relacionar o que deseja muito ver e se planejar.

Para dar aquela ajuda básica, o Louvre disponibiliza um mapa interativo para que você possa se organizar. Só clicar aqui.

Coleção
Ticiano, Rembrandt, Michelangelo, Goya, Rubens, Delacroix, Botticelli, Caravaggio, El Greco, estão te aguardando. Além do acervo do Museu, acontecem exposições temporárias, sempre bacanas. E, claro, tem as imperdíveis – quem vai deixar de observar a Mona Lisa estando no Louvre?

Toda a coleção distribuída nas três alas está classificada assim:
 Antiguidades do Próximo Oriente (7500 a.C – 500 d.C.)
 Antiguidades egípcias (4000 – 30 a.C.)
 Antiguidades gregas (6500 – 30 a.C.)
 Antiguidades romanas (100 a.C. – 500 d.C.)
 Antiguidades etruscas e da península itálica (900 – 200 a.C.)
 Arte do próximo Oriente e Egito (30 a.C. – 1800 d.C.)
 Arte Islâmica (700 – 1800)
 Esculturas|França (500 – 1850)
 Esculturas|Europa (500 – 1850)
 Pinturas|França (1350 – 1850)
 Pinturas|Europa do Norte (1350 – 1850)

De diversas formas somos convidadas a viajar pela história da humanidade, seja por meio da pintura, da escultura, dos objetos e joias dos diferentes povos que habitaram o planeta. Tem aula de história melhor?

Uma verdade: a gente quer ver a Mona Lisa sim! Mas tem muitas peças igualmente interessante e fascinante que desejamos ver também.

Pode se preparar: quando você começar a contar por aí que vai visitar o Museu do Louvre, receberá listas com as “mais-mais” ou “não pode deixar de ver”. Não vou ficar de fora e, claro, compartilho a minha lista também.

A obra mais famosa do Louvre, e do mundo, é a Mona Lisa, de Leonardo da Vinci. O quadro é o mais visitado e fotografado de todos os tempos. Há uma aura de mistério que rondam a peça, desde o sorriso enigmático retratado até sobre quem seria a retratada.

A Vitória de Samotrácia é uma estátua de mármore de pouco mais de 5 metros de altura e sua imponência impressiona. Também conhecida como Nice de Samotrácia, representa a deusa grega Nice. Foi descoberta nas ruínas do Santuário dos grandes deuses de Samotrácia, em 1863. Acredita-se que ela foi esculpida entre 220 e 190 a.C.

Lembra dos livros de história da época do colégio, quando estudava história antiga? Acredito que você tenha visto a imagem de uma estátua da deusa considerada símbolo da beleza e do amor, a Vênus de Milo, representação de Vênus, na mitologia romana, ou Afrodite, na mitologia grega. É uma escultura em mármore descoberta em 1820 e oferecida a Luís XIII, que a doou ao Louvre.

Também das aulas de história lembro da imagem abaixo, A Sagração de Napoleão. A técnica utilizada é óleo sobre tela e o quadro tem as impressionantes dimensões de pouco mais 6 metros de altura e 9,79 metros de largura. Retrata a coração de Napoleão Bonaparte e foi feita por Jacques-Louis David, conhecido por suas criações de afrescos históricos. Uma  curiosidade: a posição de cada personagem é estudada por razões estéticas e políticas.

A Liberdade Guiando o Povo é uma das pinturas mais inspiradoras de todos os tempos. Ela é inspirada na Revolução dos Trinta Gloriosos e a liberdade é representada na figura de uma mulher. Ao longo da história da França ela é utilizada como símbolo da Liberdade e da República. Chegou ao Museu do Louvre por meio dos Salões de arte realizados nos anos 1830.

O Escriba Sentado é uma escultura em calcário de 54 centímetros de altura. É muito comum sua imagem ser apresentada nos livros de história representado a escrito no Egito Antigo. A peça foi descoberta em 1850, em Saqqara, e pertence à quarta dinastia do Império Antigo, por volta de 2.620 – 2.500 a.C. Você consegue sentir a grandiosidade de uma obra destas que está presente no mundo há mais de 4,5 mil anos?

Há muitas obras na Coleção do Museu do Louvre para ver e se apaixonar. As listadas aqui chegam a ser irrelevantes, em quantidade, perto de todo o universo a ser explorado.

Jardim do Carrossel e Tulherias
Não é apenas entre as inúmeras paredes do Louvre que respiramos arte. Do lado de fora, podemos apreciar a beleza nas cores das flores e dos verdes no Jardim do Carrossel, que fica entre as alas do Louvre, e o Jardim das Tulherias.

Louvre Abu Dhabi
Está prevista para novembro de 2017 a inauguração do Louvre Abu Dhabi, projetado pelo arquiteto francês Jean Nouvel. A intenção com sua criação é desenvolver no Emirado o turismo e a educação por meio da arte. Será o primeiro museu universal do mundo árabe. Estou apaixonada pelo projeto.

Horários e informações
Se você ficou empolgada com este texto sobre o Museu do Louvre e pretende planejar uma viagem a França e uma visita a ele (Me leva junto!), vale ler essas informações que eu reuni para tornar sua experiência ainda mais positiva.

Localização
Rue de Rivelli, 9

Como chegar

Por meio da estação de metrô Palais Royal – Musée du Louvre você acessa o museu.
Horário de funcionamento

 Terça-feira: fechado
 Segunda e quinta-feira, sábado e domingo: 9h às 18h
 Quarta e sexta-feira: 9h às 21h45
* Fechado nos dias 1° de maio e 25 de dezembro
 É recomendado a compra de ingressos antecipadamente, que pode ser feito pela internet. Basta clicar aqui.
 Acesse: Mapa interativo
 Facebook: fb/museedulouvre

Acessos gratuitos:
 para todos no 1° domingo dos meses de outubro a março;
 para todos no dia 14 de julho;
 para menores de 18 anos em qualquer dia;
 para pessoas de 18 a 25 anos de qualquer nacionalidade, residentes na União
Europeia;
 para pessoas com deficiência e um acompanhante em qualquer dia;
 para menores de 26 anos de qualquer nacionalidade às sextas-feiras após às 18h.

Não esqueça de compartilhar comigo nos comentários tudo sobre sua visita, quando você for. E para quem já foi: conta para mim como foi, o que mais gostou.
Beijos e me liguem!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *