Feliz dia da trabalhadora para você, mulher!

Olá, mulheres lindas e maravilhosas!

A postagem de hoje é breve. Eu não queria que passasse em branco esse dia tão importante: o Dia Internacional do Trabalhador. Nós, que fazemos jornadas duplas, triplas, merecemos esse reconhecimento, também esse descanso, vocês não acham? Claro, descanso em termos, porque no trabalho de casa, aquele diário, necessário para termos um mínimo de conforto, ah, desse é difícil termos folga! Vamos continuar lavando louças, arrumando camas, varrendo o chão. Se você tiver a sorte de ter um companheiro que te ajude nessas tarefas, comemore! Se não é esse o seu caso, então que tal ousar um pouquinho e tirar o dia só para você, sem se preocupar com essas tarefas rotineiras? Os pratos não lavados estarão no mesmo lugar no final desse dia de descanso e não acontecerá a Terceira Guerra Mundial só porque você não deu atenção a eles, sabia? 🙂

Topa?

De qualquer forma, não é de louças que eu quero falar. Meu desejo é te dizer que trabalhar é um direito de todo o ser humano. Um dos fundamentos de nosso país,  previsto no artigo primeiro da Constituição da República Federativa do Brasil,  é a atenção ao valor social do trabalho e da livre iniciativa. O trabalho promove nosso sustento e é imprescindível à promoção da dignidade humana. Também lemos no artigo 5 da referida lei que “Homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos dessa Constituição”.

Será?

A lei fica bonita no papel, né? Quantas palavras bonitas, alinhadinhas em um documento importante…Bacana…Só que não. Não! Sabemos que, na prática, homens ganham mais do que as mulheres que exercem os mesmos cargos. Sabemos que sofremos assédio, desmoralizações, grandes dificuldades. Sabemos que a lei está, ainda, muito longe de ser respeitada.

Segundo Sheryl Sandberg, Diretora de Operações do Facebook,

“Um mundo de fato igualitário seria aquele onde as mulheres comandassem metade dos países e das empresas e os homens dirigissem metade dos lares. ”

Também acho. Aí poderíamos começar a falar de igualdade. Há outros tantos avanços que seriam interessantes também, como dar ao homem o direito a licença-paternidade (por que não? Acho justo. Pais também amam os filhos, trocam fraldas, dão mamadeiras, não dormem a noite…), mas essa já é uma outra história. Quem sabe falamos disso em outra postagem?

No  momento, o que importa dizer é que sim, nossa situação no mercado de trabalho ainda é difícil. Não há como negar esse fato. E as dificuldades aumentam quando temos mais de 40 anos. Aí sim, parece que quase não existem posições para nós no mercado de trabalho, posições justas, que valorizem nosso conhecimento, nosso background.

E sabe o que mais? Preciso confessar algo a você: minha intenção era escrever um artigo mostrando as oportunidades para nós, mulheres com mais de 40 anos, no mercado de trabalho, além de explorar o que nos interessa em relação à vida profissional, para além das minhas preferências pessoais. Porém, a cada link que abria, me deparava com matérias direcionadas aos homens com mais de 40 anos. Nem em portais direcionados a mulheres, encontrei artigos nos quais pudesse me aprofundar. Dito isso, fiquei refletindo sobre qual seria o problema, qual seria a grande questão que envolveria esse tema.

Daí que passei a refletir que se atualmente estamos colocando a boca no mundo, em busca de direitos iguais dentro das empresas, talvez seja cedo para encontrar abundância de informação sobre mulheres com mais de quarenta anos no mercado de trabalho. Resolvi fazer uma pausa e ouvir uma das profissionais, com mais de 40 anos, mais bem-sucedida no mundo: Sheryl Sandberg, COO (Diretora de Operações) do Facebook, já citada mais acima. Em 2010 ela participou de um TED – série de palestras de no máximo vinte minutos que ocorre por todo o mundo -, no qual nos chama para reflexão sobre haver tão poucas mulheres líderes em altos cargos no mundo. Na palestra ela cita alguns dados que nos desfavorecem, dentro os quais: homens atribuem o sucesso profissional a si, enquanto nós mulheres atribuímos a fatores externos, como sorte, orientação de um superior ou professor, etc. Homens pedem promoção mais vezes que as mulheres (57% versus 7%). A palavra sucesso é correlacionada de forma positiva aos homens e negativamente às mulheres.

Pergunta: quantas vezes você ouviu alguma amiga ou colega dizendo que prefere trabalhar com homens do que com mulheres? Talvez você mesma tenha dito isso… Pois é. ☹

Sheryl ainda afirma nesta palestra que os números de mulheres em posição de liderança estavam caindo nos Estados Unidos, segundo o censo do país. Assim, considerava que ainda estávamos começando a construir esse caminho de igualdade de direitos no campo profissional e que, provavelmente, apenas nossas filhas poderão usufruir da sonhada equidade, não nossa geração. Eu ousaria dizer que nossas filhas ainda terão muitas dificuldades e que será mais fácil para nossas netas.

Olhando para a fala da Diretora do Facebook fica fácil compreender porque foi difícil encontrar os dados eu que procurava. Estamos em construção.

Deixo abaixo a palestra da Sheryl para que possam assistir e comentar comigo o que acharam.

Olha, não pense que foi fácil para Sheryl Sandberg abordar esse tema. Em 2013 ela voltou ao TED para um bate-papo e conta como foi difícil estar lá e falar sobre mulheres e lideranças. A gravação dessa conversa está em Fizemos acontecer… e agora?  No vídeo ela cita a questão de mulheres serem chamadas de mandonas ou agressivas dentro das empresas. E fala sobre seu livro, o Faça Acontecer, que deu origem a Fundação Lean In, que promove encontros entre mulheres, chamados Circles, nos quais é possível prestar apoio, trocar ideias e inspirações.

Mulheres empreendendo
Estará o mundo preparando um cenário cruel para nós mulheres no campo profissional? Não. Pode respirar aliviada. Enquanto estamos em busca por oportunidades iguais, vamos abraçando cada vez mais outras modalidades de atuação profissional. Vamos empreendendo. Observa-se um número considerável de mulheres entre micro e pequenos empreendedores. E por que estaríamos nos dedicando mais a essa forma de trabalho? Muitas mulheres empreendem para trabalhar com o que gostam ou para realizar um sonho. A grande maioria, no entanto, ainda empreende para poder botar comida na mesa, sustentar os filhos, a família. Muitas mulheres veem no empreendedorismo um jeito de não passarem fome. Por elas, estariam empregadas e ganhando salário no final do mês. Muitas veem no trabalho assalariado uma forma de segurança, pois o empreendedor nunca sabe quanto vai conseguir vender em um mês. Além disso, há também o preconceito vivido por mulheres, em relação a sua idade, durante os processos seletivos. Ainda que sejam preparadas e competentes, alguns contratantes optam por profissionais mais jovens. As seleções estressam e entristecem as mulheres de mais de quarenta anos que procuram emprego, em razão das injustiças cometidas. Triste, mas acontece. Essas mulheres, que poderiam muito bem agregar valor aos quadros de funcionários de qualquer empresa, sentem-se discriminadas e…desistem. Preferem empreender para não passar por essas situações vexatórias. Empreender é algo maravilhoso, não me entenda mal. Eu sou empreendedora e apóio o empreendedorismo. Sou empreendedora por opção, não por falta dela. O que te conto aqui é que muitas mulheres empreendem porque essa é a única oportunidade para desenvolverem trabalho digno, que as sustente. Muitas não tem habilidades para os negócios, não desejam empreender, tem dificuldades com as vendas, com o marketing, com outros tantos pormenores de um empreendimento. Não importa: se é o que o mundo lhes apresenta, é isso que elas encararão, querendo ou não.

Qual é a mensagem aqui embutida? Simples: passamos por muitas dificuldades desde que entramos no mercado de trabalho. As condições que temos para desenvolver atividade remunerada ainda são precárias, mas estão se modificando pouco a pouco. Há, ainda, muito caminho a ser percorrido, muito chão a ser desbravado, e essa aventura cabe a nós mesmas. Cabe a mim e a você nos mostrarmos competentes, combativas, capacitadas para os cargos que queremos exercer. Cabe a nós, também, apontarmos as desigualdades, os desmandos, o assédio. Cabe a nós não calar, porque do outro lado entende-se que “quem cala, consente”. Não é?

Então vamos juntas, dia após dia, batalhar por um mundo melhor, um mundo onde a sabedoria seja valorizada, ao invés da idade cronológica; a experiência, ao invés do sexo; a competência, ao invés do jeitinho. Enquanto isso, desejo que você não desista de seus sonhos. Te desejo força, foco e fé, para traçar objetivos e sair em busca de sua realização. Te desejo olhos que brilhem de emoção pelo cumprimento de uma tarefa difícil. Te desejo muita concentração, muito suor, muita labuta, muito dinheiro e…um grande e merecido descanso de vez em quando!

Quer me contar alguma história sobre sua carreira, sobre as dificuldades encontradas? Deixe aqui nos comentários ou envie para dicasdaclaumester@gmail.com

Beijos e me liga!
_______
Fontes e links

TED Sheryl Sandberg: Por que temos tão poucas líderes
TED Sheryl Sandberg: Fizemos acontecer … e agora?
Fundação Lean In
Pesquisa: Perfil da Empreendedora brasileira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

WhatsApp chat